quarta-feira, 13 de agosto de 2008

COLUNA DO CONCURSEIRO SOLITÁRIO - Muita paciência nesse momento


Semana passada os concurseiros que aguardam ansiosamente um novo concurso para o cargo de Oficial de Justiça no estado de São Paulo comemoraram o veto do Presidente Lula ao projeto de lei complementar nº 107/07, que previa a mudança do nível de escolaridade para o cargo como requisito para investidura no cargo. Muita gente, no entanto, também atentou para a justificativa para o veto, que foi que tanto o Presidente quanto a Advocacia Geral da União consideraram inconstitucional o projeto que, por se tratar de assunto da esfera do Judiciário, deveria ser de iniciativa deste e não do Legislativo.

Ou seja, a questão ainda não está resolvida definitivamente.

Claramente há uma carência enorme de Oficiais de Justiça nos quadros do judiciário de todo o país. Também é inequívoco que os Tribunais de Justiça estão segurando a realização de novos concursos para o cargo aguardando uma decisão definitiva sobre essa questão da exigência de curso superior como requisito para investidura. Então, nesse vai-e-vem, o concurseiro que tem como meta o cargo de Oficial de Justiça simplesmente não sabe o que fazer, vive na incerteza.

Esses concurseiros podem adotar quatro estratégias. Vejamos.

1ª Estratégia – Não Esperar Mais e Mudar de Planos Definitivamente

Essa estratégia é adotada, principalmente, pelos concurseiros que ficaram de saco cheio de tanto esperar e decidiram procurar outros caminhos para a vitória na guerra dos concursos públicos, o que significa focar os estudos em concursos para outros cargos.

Nessa estratégia a meta de prestar concurso para Oficial de Justiça é deixada de lado e todos os recursos e tempo de estudo passam a ser utilizados para o preparo de outros cargos oferecidos em concurso.

Maior Vantagem – Não será mais preciso viver a angústia de esperar um concurso que não se sabe quando será realizado.

Maior Desvantagem – Quando o concurso finalmente for marcado e o edital publicado, dependendo dos cargos para os quais o concurseiro vinha se preparando, pode-se estar em grande desvantagem em termos de matéria estudada.

2ª Estratégia – Não Esperar Mais Sem Abandonar a Meta

Essa estratégia é adotada também pelos concurseiros que ficaram de saco cheio de tanto esperar pelo concurso para Oficial de Justiça e decidiram se preparar para outros cargos públicos com concursos marcados, mas sem deixar de ter o concurso para Oficial de Justiça como meta.

Essa estratégia implica em focar em concursos que cobram matérias o mais semelhante possível com as cobradas tradicionalmente em concursos de Oficial de Justiça, de forma a não perder totalmente o foco dos estudos para o cargo.

Maior Vantagem – Ao se preparar para outros concursos para outros cargos, o concuseiro também estará se preparando em parte para o concurso de Oficial de Justiça, que quando sair o terá um passo a frente de muitos concurseiros que começarão a estudar apenas depois da publicação do edital do concurso.

Maior Desvantagem – O concurseiro terá de administrar muito bem essa estratégia de forma a de um lado não limitar tanto sua escolha por outros concursos e de outro a também não abrir tanto o campo de escolha, otimizando assim o alinhamento do estudo para outros concursos com as matérias tradicionalmente cobradas no concurso para Oficial de Justiça.

3ª Estratégia – Continuar Esperando Estudando Forte

Essa estratégia é adotada pelos concurseiros teimosos e persistentes, que querem única e exclusivamente o cargo público de Oficial de Justiça e que não se importam nem um pouco em esperar o tempo necessário para a resolução dessa querela da necessidade de curso superior e, finalmente, pela marcação do concurso.

Essa estratégia é muito simples e prática, exigindo do concurseiro apenas muita paciência, determinação e preparo constante nas matérias tradicionalmente cobradas nos concursos para o cargo, nada mais nada menos.

Maior Vantagem – Quando a tal querela finalmente for resolvida e o concurso marcado, o concurseiro estará anos-luz na frente em termos de preparo.

Maior Desvantagem – Pode ser que a resolução da querela simplesmente torne sua formação educacional incompatível com a investidura no cargo (tipo ele ter segundo grau e for decidido pela exigência de curso superior, ou ele ter curso superior de administração e for decidido pela exigência de curso de direito), daí o concurseiro perdeu um tempão estudando forte matérias que poderão apenas em parte serem usadas em outros concursos.

4ª Estratégia – Continuar Esperando Sem Fazer Nada

Essa é a estratégia dos concurseiros teimosos e persistentes que TAMBÉM são acomodados e preguiçosos, que querem única e exclusivamente o cargo público de Oficial de Justiça e que não se importam nem um pouco em esperar o tempo necessário para a resolução dessa querela da necessidade de curso superior e, finalmente, pela marcação do concurso.

Essa estratégia é também muito simples e prática, exigindo do concurseiro apenas não fazer nada, ficar de “papo pro ar” e deixa a vida passar em brancas nuvens até quando a querela for resolvida e o concurso marcado.

Maior Vantagem – Nenhuma!

Maior Desvantagem – Todas do mundo mais umas duas que nem sei dizer o que são!

Resumo da ópera – Não há dúvida de que essa situação de indefinição quanto à exigência ou não de curso superior para o cargo de Oficial de Justiça é um “pé no saco” e atrapalha a vida de muitos concurseiros que têm esse cargo como meta. Infelizmente não dá para saber com esse veto do Presidente se o próximo Projeto de Lei versando sobre o assunto será acolhido ou não. Na dúvida você precisa escolher qual das estratégias acima adotar, porque se você não escolher nenhuma estará adotando automaticamente a última estratégia e tenho certeza que se você está lendo esse artigo é porque não quer fazer isso. Estou errado?

———«»———«»———«»———

Não deixe de visitar meu blog, o Concurseiro Solitário. Lá eu e outros concurseiros publicamos artigos sobre concursos públicos diariamente. Falamos sobre motivação, comentamos sobre matérias, concursos em andamento e muito mais. O endereço é:

www.concurseirosolitario.blogspot.com

———«»———«»———«»———

Depois de um assunto pesado como esse, nada melhor que uma boa música para aliviar o espírito e recuperar os ânimos. O The Cardigans é uma banda suíça que desde sua criação em 1992 permanece com a formação original. Um de seus maiores sucessos até hoje foi “Lovefool”, uma música tranqüilinha e muito simpática, que inclusive fez parte da trilha sonora do famoso filme “Romeu e Julieta” com Leonardo Di Caprio. Esse clipe é o original da música quando ela foi lançada, substituído depois por outros clipes quando a música fez sucesso. Aproveitem.

4 comentários:

Balone disse...

Realmente, o concurso para Oficial de Justiça do TJ-SP é uma incógnita na vida da maioria dos concurseiros que eu encontro pelo caminho. Nunca se sabe quando nem como vai ser esse concurso. Como o concurseiro solitário citou, muitos já desistiram outros dedicam-se exclusivamente a esse concurso como se ele fosse sair a qualquer momento... eu estou no meio termo, pois, estudo para outros concursos e a hora que sair algo de mais concreto eu retomo os estudos com força máxima! Creio que seja uma boa alternativa.

Camisa 9 disse...

O cara escreve bem pakas!
Acesso o blog dele quase todos os dias!!!

Raquel Solitária disse...

Eu sou colunista do blog do Charles e estou surpresa em vê-lo escrevendo como colunista fixo por aqui. É sempre muito bom ler os artigos dele.

Seu blog é muito bom Douglas. Sempre faço uma visita.

Raquel

Camisa 9 disse...

Essa indecisão quanto à escolaridade exigida nesse concurso fez com que eu perdesse uma bolsa de estudos 100% na escola onde o Professor Douglas leciona e de onde já saíram vários aprovados e vários novos funcionários públicos que sempre passam em algum concurso, como as donas Dr.ª Si e dona senhoria Jacq!

Mas tdo bem, tudo bem...com fé, estudo e determinação eu dou um jeito, pois sou brazuca!