quinta-feira, 12 de março de 2009

Participação Especial - Raquel Solitária

"A moda do Direito será que acaba?"

Quando resolvi fazer vestibular, em 2000, havia muitas opções de carreiras que me atraiam. Muitas chamavam a atenção, mas o Direito me escolheu. Fui conquistada porque gosto muito das ciências humanas e por causa das muitas opções para enveredar dentro da mesma profissão. Ah, inclusive, já se ouvia um discurso de que oferecia um futuro muito promissor a quem a ela aderisse.

Ocorre que, como eu, milhares de pessoas pensaram da mesma forma. Uns descobriram-se vocacionados (meu caso), outros por mera busca pela propagada segurança e por uma parcela por diversos motivos. Com isso, o Brasil encontra-se inchado de advogados e bacharéis em Direito que tentam concursos públicos. A OAB começa a dificultar o exame de ordem para fazer um filtro nessa demanda por mercado. Enfim, formou-se um cenário nem tão cor-de-rosa como se previra.

Bem, eu iniciei a graduação pensando em ser advogada, visando trabalhar com Direito Empresarial. Buscava estudar, ler tudo que era concernente ao ramo. Contudo, ao longo do curso, comecei a perceber que meu perfil profissional colidia com esse objetivo inicial. Percebi que precisaria fazer concurso para galgar os cargos com que sonhava.

Nos primeiros anos de estudos, vieram muitos concursos no meu ramo profissional e isso foi muito bom, pois me permitiu progredir mais rapidamente a cada prova que fazia. Agora, tenho observado que os concursos na área jurídica não se extinguiram, mas diminuiram em quantidade como se vira em outros anos. As razões para tal eu desconheço, mas observo que o mundo público passou a valorizar profissionais de diversas formações como Psicólogos, Arquitetos, Jornalistas, Arquivologistas, Economistas, entre outros.

Diante de tal premissa, começo a me questionar sobre se a moda do Direito passará. Com uma quantidade um pouco menor de concursos na minha área, pergunto-me se não começará a ficar difícil (mais do que já é) ser aprovada. Bem, essas respostas só o tempo as dirá. Até saber o que o futuro nos aguarda, não ficarei pessimista. Quem sabe o mercado não fica mais racional assim?

Só por hoje: não se assuste com essas mudanças. Siga em frente estudando, pois o que é para ser nosso não será nos tirado!

Raquel Monteiro é a Raquel Solitária

4 comentários:

Professor Douglas disse...

Obrigado pela participação Raquel e volte sempre!

Será um prazer para todos nós.

Um abraço,

Douglas.

Raquel Solitária disse...

Obrigada pela oportunidade de divulgar as idéias em seu primoroso blog!

Anônimo disse...

A vida jurídica é super difícil não se enganem!!! Nem tudo são flores...

Sara disse...

Doutor é quem faz Direito!
A opção jurídica é mais do que uma moda, é algo cultural instalado no Brasil.As histórias dos barcharéis que usam os anéis de "doutores" em direito se instaurou de forma permanete no imaginário das pessoas.
Observamos que mais do que uma carreira se torna quase que um sinônimo de "status" e condiução social privilegiada na mente de alguns.
Pena que no Brasil esse tipo de prática está cada dia mais em tramitação. Mas, alerto que as coisas estão mudando....o mercado está expremendo cada vez mais os advogados e Adivogadús...só carteira da OAB não basta meus caros...
To com vc cunhada:)
Beijocas
Sara