sábado, 10 de abril de 2010

Dica do Bruno

Olá pessoal boa noite. Estou aqui para falar sobre o filme Invictus. E nesse momento, o colega concurseiro se pergunta: ISSO AQUI É UM SITE DE RESENHA DE FILME OU DE CONCURSO PÚBLICO??? Calma pessoal tudo ao seu tempo.





Primeiro sobre o filme: O filme trata sobre o fim do apartheid e os primeiros anos do governo Nelson Mandela na África do Sul. Fala também sobre a Copa do Mundo de Rugby de 1995, que uniu um país até então segregado em torno de um objetivo comum. A direção é de Clint Eastwood que ultimamente vem acertando a mão em todos os filmes que dirige. Morgan Freeman também está muito bem no papel de Mandela (aliás como sempre).



O nome do filme vem de um poema de William E Henley e este sim pode nos interessar:



Invictus

Out of the night that covers me,

Black as the pit from pole to pole,

I thank whatever gods may be

For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance

I have not winced nor cried aloud.

Under the bludgeonings of chance

My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears

Looms but the Horror of the shade,

And yet the menace of the years

Finds and shall find me unafraid.

It matters not how strait the gate,

How charged with punishments the scroll,

I am the master of my fate:

I am the captain of my soul.



E agora uma tradução feita por mim mesmo (me perdoem por eventuais falhas)



Fora da noite que me cobre,

Negra como o poço de ponta a ponta,

Eu agradeço a qualquer coisa que os deuses possam ser

Por minha alma inconquistável

Nas garras do destino

Eu não vacilei e nem me ouviram chorar

Sob os golpes do acaso

Minha cabeça sangra, mas permanece ereta.

Além deste lugar de cólera e lágrimas

Somente o horror das trevas se anuncia,

Ainda a ameaça dos anos

Encontra, e há de encontrar-me, destemido.

Não importa quão estreito é o portão,

Quão cheio de penas o veredicto

Eu sou o mestre do meu destino;

Eu sou o capitão da minha alma.



Então senhores, somos todos capitães de nossas almas???

Fica o poema e a pergunta para refletirmos.

Abraços,

Bruno Rodrigo Mendes

Um comentário:

Celina disse...

Poema excelente, realmente inspirador!