quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

INSS - comentários da prova de Constitucional.

Amigos,


- a questão 3 da prova tipo 1 - era muito fácil: "habeas corpus" sem qualquer chance para recurso; D

- a questão 4 da prova tipo 1 - também não apresentava dificuldades; como se sabe, não se exige autorização para criação de associações; alternativa B;

- a questão 5 da prova tipo 1 - mais elaborada e deixava na dúvida; no entanto, a melhor alternativa é a E, porque, no mais, existem exceções que tornam as demais alternativas erradas; quem marcou B não viu a pegadinha - fala 2 cargos de professor com outro técnico ou cientifico (3 cargos não dá...)

- a questão 6 da prova tipo 1 - também mais elaborada limitava às duas primeiras alternativas; a questão então era se depende ou não do nexo a responsabilidade objetiva da União; utilizando-se do bom senso era possível concluir que a União só responde se houver relação entre o ato e o dano sofrido, ou seja, se houver nexo de causa e efeito entre o ato e o dano; alternativa A;


É isso aí que caiu de Constitucional. Das outras matérias, algum recurso ???

3 comentários:

somarlucia@hotmail.com disse...

lEGAL PROFESSOR! DE CONSTITUCIONAL ACERTEI TODAS!

MARIA LUCIA - UNICURSOS!

Anônimo disse...

Questao 16 da prova 3 cabe recurso (aquela do preço dos carros)
Inicialmente no mês de Dezembro, temos que a relação inicial de preços é A x 1,1 = B x 1,15. A inconsistência ocorre agora: "em janeiro houve redução de 20% sobre o preço de A e de 10% sore o preço de B, AMBOS DE DEZEMBRO [...]". Poderia haver uma interpretação do candidato (e este não estaria errado) de que a redução percentual a que se refere a questão seria em relação ao preço inicial de dezembro, visto que no mesmo mês houve dois preços diferentes e a questão não definiu com clareza em relação a qual se refere. Dessa forma teríamos dois cálculos com resultados distintos para encontrarmos o preço final de cada carro:
carro A
R1: A +10% =1,1A. 1,1A -20% =1,1A -1,1x0,2A =1,1x0,8A ou
R2: A +10% =1,1A. 1,1A -20% =1,1A -0,2A =0,9A
carro B.
R1: B +15% =1,15B. 1,15B -10% =1,15B -1,15x0,1B =1,15x0,9B ou
R2: B +15% =1,15B. 1,15B -10% =1,15B -0,1B =1,05B
Fazendo agora os cálculos para saber da diferença percentual do carro A para o carro B, teríamos duas respostas diferentes!

Para entender minha linha de raciocínio veja uma situação análoga:
"um objeto tem o preço de 100u em dezembro. Em janeiro houve um aumento de 20% e uma redução de 10%, ambos em relação a dezembro. Qual o preço final deste?"
R1: 100 +20% = 120 -12(10% do preço final de dezembro: 120) = 108 ou
R2: 100 +20% = 120 -10(10% do preço inicial de dezembro: 100)=110

Dessa maneira acho que é ANULAVEL a questão por entender que esta gera uma ambiguidade.

lulovsky disse...

começe pelo final. atribua um preço comum aos dois carros. R$ 110,00, depois faça o desconto (110-11=99) depois o outro (110-22=88), ora, se 99 está para 100% então 88 está para 87,5%, resposta será 12.5% entre os dois, beijos